ATIVE SUA FORÇA INTERIOR - As adversidades podem ser limitativas ou podem desencadear sua força inte

Por: Eugenio Mussak


Há pessoas que, diante das adversidades, crescem e aproveitam para se transformar em pessoas melhores. E há outras que simplesmente se deixam destruir. O que determina a diferença entre esses dois tipos de pessoas sempre me intrigou.


Todos somos usinas de energia vital, essa força que vira trabalho, que se transforma em ação, que provoca mudança. O mérito está em mobilizar essa energia, pois diante das dificuldades, podemos ficar paralisados, pasmos com a injustiça de a vida não ser exatamente como queríamos. E corremos o risco de nos acomodar na esperança de que a solução venha de fora.


Nietzsche já chamava de homem superior aquele que conseguia vencer seus inimigos internos, sugerindo que nós só podemos ser derrotados por nós mesmos. É claro que tudo o que nos acontece tem um componente externo, mas também tem um interno, o próprio eu, que é mais forte do que imaginamos, e às vezes não acreditamos nisso. Assumir a responsabilidade é o melhor sinal de maturidade e o primeiro passo para a liberação da força interior.


O entendimento da Psicologia


Entre os discípulos diretos de Freud esteve Erik Erikson, um jovem artista plástico alemão que se encantou pela psicanálise e acabou se fixando Universidade de Harvard como professor e pesquisador. Seu centro de interesse era o ego e sua influência nas relações interpessoais.


Segundo suas observações, nós estamos programados para desenvolver algumas virtudes, que seriam estados de orientação para o bem e para a evolução. São elas: a esperança, a vontade, o propósito, a competência, a fidelidade, o amor, o cuidado e a sabedoria. Ao conjunto dessas virtudes podemos dar o nome de força interior, pois quem é dotado dessas qualidades terá todas as condições para reagir às adversidades e atingir os objetivos desejados.


Para desenvolver essas virtudes, é necessário encontrar propósitos para a vida, desenvolver conhecimentos, treinar a disciplina e conseguir criar relações humanas construtivas. Trata-se de um investimento. São mecanismos de liberação da força vital que precisam ser criados, pois nascemos com a força, mas precisamos aprender a lidar com ela.


Todos os dias somos assombrados pela possibilidade de fracasso, pelas perdas afetivas, pelos problemas profissionais e financeiros, pelas dúvidas existenciais. E todos os dias temos a chance e a necessidade de anunciar nossa força, ainda que, às vezes, algumas pessoas não o façam.


O destino não pergunta se estamos dispostos, simplesmente apronta das suas. Eu estava em Florianópolis na grande enchente de 1983 e presenciei cenas explícitas de grandeza humana. No fim, era um embate entre a força dos elementos e a força da alma das pessoas. Lembro-me de ter conhecido o José Carlos, um jovem pai que, ao chegar em casa, ela - a casa - não estava mais lá. Havia sido levada pela enxurrada, que por pouco não levara junto sua mulher e seus dois filhos pequenos, que, por sorte, tiveram tempo de sair. Quando lhe perguntei "E agora?", ele me olhou com gravidade, suspirou e disse: "E agora é começar tudo de novo". E começou, e persistiu e reconquistou sua casa - aliás, melhor que anterior.


Sim, a necessidade obriga. Afinal, a força interior existe, mas é virtual. Não pode ser percebida a não ser quando é solicitada de verdade. E isso pode acontecer por dois motivos: por exigência do destino ou por ingerência da vontade. Ou por ambos.


"Ferramenta tens, não procures em vão", disse Fernando Pessoa em um de seus belos poemas que nos colocam em contato conosco mesmos. "Tenha o coração sensível e use a força da mente", termina seu verso. Sim, temos a ferramenta em nós, só precisamos usá-la.


FONTE: Vida Simples


Gostou deste post? Envie um e-mail com o seu comentário.

Posts Destacados 
Posts Recentes
Procure por Tags